Boas notíciasNotícias

Armário Coletivo: uma iniciativa em favor do descarte responsável

Por 27 de outubro de 2016 setembro 26th, 2019 Sem comentários

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-7Um dia Carina Zagonel resolveu colocar um par de tênis usado pendurado com uma plaquinha na sua rua na Vargem Pequena, em Florianópolis, na esperança de que alguém pudesse aproveitá-lo. Não poderia imaginar que esse simples gesto se tornaria em um projeto fantástico que, a cada dia, ganha mais adeptos.

Eu me deparei com o tênis do meu filho e não ia até um lugar só para doar uma peça. Aí eu fiz uma plaquinha: ‘deixe aqui o que não quer mais, mas pode servir para outros’, coloquei na esquina da minha casa e coloquei o tênis. E foi uma surpresa porque dali, daquela calçada, começaram a surgir um monte de coisas”, conta Carina.

A iniciativa virou um projeto maior batizado de Armário Coletivo. A ideia é promover o descarte consciente de roupas, brinquedos, cadernos, livros, revistas e até objetos de decoração, o que ajuda a criar uma nova cultura de consumo que envolve compartilhamento, troca e reaproveitamento.

De lá para cá, muitos Armários Coletivos foram construídos e espalhados pela cidade. Um deles está instalado no Impact Hub, no espaço da ACATE no Passeio Primavera.

Tudo começa com a construção de pequenos armários com portas de vidro, totalmente produzidos com material descartado. Carina conta com a ajuda do marido, o artesão Albano Bernardes, e de voluntários nas diferentes tarefas envolvidas no processo, que vai desde o projeto, passando pela montagem, decoração, transporte, instalação, inclusão dos produtos e – o mais importante – o engajamento dos usuários, tanto doadores quanto beneficiários.

O Primavera Garden fez uma entrevista com Carina para conhecer um pouco mais sobre esse lindo projeto:

Quem é Carina Zagonel ?

Empreendo artisticamente há 17 anos no Atelier de Ideias. Sou uma catadora de materiais, tenho um novo olhar para qualquer matéria prima descartada e uso da criatividade para transformá-la. Nunca tive “emprego”, mas sempre tive trabalho. Adoro pessoas e espaços para juntar pessoas, em volta de uma fogueira, na grama de uma praça, ocupar, estar junto, compartilhar ideias, emoções é a minha vida. Descobri há tempos atrás que posso, que podemos, transformar o mundo e agora me pergunto: como ter uma vida normal depois desse descobrimento? Todos os dias dou um passo nessa direção.

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-10

Como e quando surgiu a ideia de produzir o Armário Coletivo?

Durante uma limpeza de rotina no quarto do meu filho João de 12 anos na época, encontrei um tênis usado que não servia mais, coisa mais comum quando se tem filhos. Durante aqueles minutos com o tênis na mão, muita coisa passou pela cabeça:

– “Não vou até uma entidade doar apenas um tênis”
– “Porque sempre levamos para os mesmos lugares, e as pessoas que não tem acesso a esses lugares é que precisam ?”
– “Porque tenho que levar para algum lugar se as crianças do meu bairro também precisam?”
– “Mas dar um tênis usado a uma criança que não tenho intimidade, como serei interpretada?”
– “E se eu não desse diretamente, se ela pudesse escolher se quer ou não o tênis?”

Num instinto, escrevi uma plaquinha que dizia, “Deixe aqui o que não quer mais, mas que pode servir pra outros”, fui até a esquina de casa, amarrei nos galhos e deixei o tênis embaixo.

Um tempo depois, o tênis não estava mais e para minha grande surpresa, muitas outras coisas estavam embaixo daquela placa, como utensílios de cozinha, livros, brinquedos e roupas.

Essa plaquinha ficou na rua por um ano, porque pensava que uma hora isso ia acabar, só que não. Para resolver esse problema na esquina de casa, já que as coisas ficavam expostas, meu marido, artista/marceneiro resolveu construir um armário. Assim surgiu o Armário Coletivo aqui na Vargem Pequena. Hoje temos 6  promovendo troca-troca sustentável em bairros de Florianópolis.

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-8

Qual o conceito por trás do Armário Coletivo?

De valorizar o que se tem mesmo quando não se quer mais, incentivando a reflexão de que se algo não cumpre mais a necessidade ou a função que um dia possuiu é hora de descartar. Há dúvidas sobre qual é a melhor maneira de fazer isso. Sabemos que todos os bairros têm suas necessidades, então porque levar o que não queremos mais para outros lugares? O Armário Coletivo propõe esse novo olhar para o acolhimento e a preocupação com as pessoas do próprio bairro, promovendo um contato com formas menos desiguais de consumo, impactando positivamente no bem estar social local.

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-14

Os Armários Coletivos ficam sempre em pontos fixos e/ou também são itinerantes?

Os pontos de compartilhamento são fixos, com isso as pessoas criam o hábito de ir até lá quando precisam de algo. Estamos desenvolvendo um modelo menor para eventos, será o filhotinho que vai andar junto com a equipe.

Quem “alimenta” os Armários de produtos?

As pessoas que tem acesso aos Armários, porque moram ou trabalham perto. Também acessam o mapa e vão ao encontro dos Armários pela Ilha.

Qual o perfil do público você percebe que se interessa e utiliza o Armário Coletivo?

Pessoas que já conhecem modelos de economia de compartilhada atuais, como uber, air bnb, tem açúcar. Bem como todas as pessoas do entorno dos armários: vizinhos, familiares e amigos das pessoas que utilizam os armários, independentemente do nível social.

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-2

Existem outros “Armários Coletivos” – como conceito – em outros lugares do país ou do mundo que você tenha conhecimento?

Sim existem muitos modelos de compartilhamentos, desde cabides até espaços maiores. Na página do Armário Coletivo no Facebook compartilhamos todas essas inspirações.

O que o Armário Coletivo recebe? Só roupas e calçados?

O que você faz com o que não quer mais ?

Partindo dessa pergunta entra tudo, desde brinquedos, livros, ferramentas, objetos de decoração, coisas de jardim. As roupas e calçados aparecem muito porque é o que mais consumimos. E é ai a nossa grande missão a respeito da moda, descarte, futilidade, trabalho escravo e tudo que envolve esse nicho tão problemático para nosso planeta.

Como você divulga o armário?

Pelo face, é o que consigo fazer sozinha. Mas teremos um site, que uma empresa irá elaborar. Temos uma voluntária que está cuidando do Instagram. Sei que a comunicação é tudo, mas funcionamos sem dinheiro e com parcerias. Em alguns editais incluo marketing, só assim para continuar crescendo. Temos também mídias espontâneas em veículos, como o Jornal do Almoço da RBS.

O boca a boca do entorno dos Armários funciona muito. Recentemente colocamos o primeiro Armário na Escola Mancio Costa  e fizemos uma grande roda de conversar com mais de 300 alunos. Onde os armários estão, temos a missão de acessar as pessoas e apresentar esse conceito. São muitas surpresas e emoções. Eu, que nunca fui muito de chorar, virei uma chorona, mas é tão bom chorar de felicidade, não é ?

Quem quiser doar ou pegar coisas do armário, como deve proceder?

O Armário funciona da maneira mais simples e intuitiva possível, chegar, pegar ou deixar! As pessoas demoram um pouco para chegar, porque não estamos acostumados com a abundância disponível ali de graça. Afinal aonde que você pode TER SEM COMPRAR ? Essa será a nova moda 😉

O que você aprendeu com essa experiência?

Não tenho dúvida de que o caminho passa pela construção coletiva. Do jeito que as coisas foram feitas até hoje e cada um pensando em si, moldou nosso modo de vida insustentável. Não me conformo em entregar esse mundo para nossas crianças, não vou salvar o mundo, mas vou construir pontes. Esse movimento está transformando radicalmente nossas vidas. Estamos conhecendo pessoas incríveis, transformadoras. Eu sou feliz por colocar Floripa no mapa do compartilhamento, quando tivermos um Armário em cada Bairro, faremos a maior onda de compartilhamento que esse planeta já viu. Essa é a minha retribuição para essa ilha, essa gente que me acolheu e acolhe com muito amor.

Agradeço o interesse de vocês em divulgar essa iniciativa, que vai muito além de colocar Armários na rua.
Funcionamos sem vínculos políticos, burocracia. Somos independentes, pessoas fazendo para pessoas.
Se vocês tiverem alguém para indicar, ou alguma ideia que possa contribuir para isso tudo, ficaríamos felizes \0/!

primavera_garden_armario_coletivo_passeio_primavera-5

Os endereços de localização dos armários estão no mapa!